Blog da Zê (em férias, mas de sobreaviso...risos), bem vindo!

Agenda de cursos presenciais no site www.zenaidecarvalho.com.br

05/03/15

Desoneração: MP 669/15 é devolvida oficialmente e perde a eficácia - E eu com isso?

Agora é oficial: a MP 669/15 foi devolvida! Então por enquanto não se tem alteração de alíquota ou opcionalidade na Desoneração. Já li alguns depoimentos de advogados que esse ato de devolver Medida Provisória não tem validade jurídica, mas eu não sou advogada e não sei informar a veracidade.

Então o que eu (você) tenho com isso? Na verdade prevalece a orientação anterior que postei ontem aqui no Blog: por enquanto não muda nada na Desoneração.

E o projeto de lei com as mesmas proposituras da MP 669/15? Deve ser votado em até 45 dias e entrando em vigor 90 dias após. Se mudar alguma coisa, vai ser lá para o segundo semestre/2015... por enquanto, vamos calculando...

Abraços,


Ato Declaratório CN Nº 5 DE 03/03/2015

Publicado no DO em 5 mar 2015
Devolve a Medida Provisória nº 669, de 2015, que "Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de 2011, a Lei nº 12.995, de 18 de junho de 2014, e a Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005, quanto à tributação de bebidas frias; e a Lei nº 12.780, de 9 de janeiro de 2013, que dispõe sobre medidas tributárias referentes à realização, no Brasil, dos Jogos Olímpicos de 2016 e dos Jogos Paraolímpicos de 2016", e declara a perda de eficácia da referida norma.
O Presidente da Mesa do Congresso Nacional faz saber que, utilizando-se das prerrogativas previstas no art. 48, incisos II e XI, do Regimento Interno do Senado Federal, que o atribuem os deveres de velar pelo respeito às prerrogativas do Senado e as imunidades dos Senadores, bem como de impugnar as proposições que lhe pareçam contrárias à Constituição, às leis ou ao Regimento, foi encaminhada à Excelentíssima Senhora Presidente da República a Mensagem nº 7 (SF), de 3 de março de 2015, que devolve a Medida Provisória nº 669, de 2015, que "Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de 2011, a Lei nº 12.995, de 18 de junho de 2014, e a Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005, quanto à tributação de bebidas frias; e a Lei nº 12.780, de 9 de janeiro de 2013, que dispõe sobre medidas tributárias referentes à realização, no Brasil, dos Jogos Olímpicos de 2016 e dos Jogos Paraolímpicos de 2016", e declara a perda de eficácia da referida norma.
Congresso Nacional, 3 de março de 2015.
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente da Mesa do Congresso Nacional




04/03/15

Curso Prático de Desoneração da Folha Atualizado com a MP 669/15 que aumenta as alíquotas e torna a Desoneração opcional (Blumenau-SC)


Nome do curso
Curso Prático de Desoneração da Folha
Atualizado com a MP 669/15 que aumenta as alíquotas e torna a Desoneração opcional  (Blumenau-SC)
Data e horário
10/03/2015 das 08h30 as 17h30
Local
Auditório SESCON Blumenau
Rua 15 de Novembro, 759 – 4° andar – Sala 404
SHOPPING H – Centro – BLUMENAU (SC) 
Carga horária
8 horas
Objetivo
Levar aos participantes os conhecimentos práticos sobre os setores envolvidos, cálculo das contribuições previdenciárias sobre a receita bruta – a chamada “Desoneração da Folha”, obrigação da lei 12.546/11 e alterações posteriores, cumprimento das obrigações acessórias e reflexos no eSocial.
Público-alvo
Contabilistas, chefes de departamento pessoal e recursos humanos, auxiliares de departamento pessoal, setor fiscal, auditores, administradores e demais pessoas interessadas no tema.
Conteúdo Programático
1.    Base legal
2.    O que é a desoneração da folha
3.    Setores incluídos na Desoneração – quadro demonstrativo
4.    Particularidades de cada setor: Construção Civil, Varejo, Indústria, Serviços
5.    Enquadramento por CNAE e Matrícula CEI
6.    Prazo de vigência e percentuais
7.    Cálculos para todos os setores e particularidades
8.    Empresas com atividades parcialmente enquadradas: cálculo de proporcionalidade
9.    Deduções permitidas da Receita Bruta
10.   Décimo Terceiro Salário
11.   Como informar na GFIP e Bloqueio por uso do Campo Compensação
12.   Recolhimentos: códigos de DARF, e data de recolhimento
13.   DCTF e EFD-Contribuições: prazos e obrigações
14.   - Demonstrativo de Origem de Crédito
15.   eSocial: Informações Complementares sobre a Desoneração da Folha
16.   - Espaço aberto para perguntas
Palestrante
Zenaide Carvalho - Administradora, Contadora, Especialista em Auditoria e Controladoria, Especialista em Direito do Trabalho e em Pedagogia Empresarial e Professora de Pós-graduação em Análise Tributária.
Tem mais de 30 anos de experiência profissional. Site: www.zenaidecarvalho.com.br.
Inscrições

eSocial: Radio Peão informa novos prazos não oficiais...

Esta veio do Ricardo Garcia, moderador do GuiaeSocial.com e tbm do grpo de eSocial do facebook:

RADIO PEÃO INFORMA: AFINAL QUANDO ESSE DIACHO DO ESOCIAL ENTRA EM VIGOR PARA TODOS? E A BASE DE TESTES?

Publicado por Moderador-Ricardo Garcia em 4 março 2015 às 16:34 em RÁDIO PEÃOBack to RÁDIO PEÃO Discussions

Segue informações do Seminário que ainda não foram homologadas pelo Comitê Diretivo mas se aproximam muito do que será divulgado oficialmente... pois o cronograma teve a participação ativa do GT Confederativo.

Em 09/2015: pré produção a todos com a BASE DE TESTES.
• Em 01/2016: produção facultativa a todos que quiserem (ir para forca logo)
• 07/2016: obrigatório para quem fatura acima de 78 milhões
• 01/2017: SAÚDE E SEGURANÇA obrigatório para quem fatura acima de 78 milhões.
• 01/2017: eSocial obrigatório a todos
• 08/2017: obrigatório SAÚDE E SEGURANÇA a todos

Ricardo Garcia
Moderador

Desoneração: Mudança de alíquotas agora terá projeto de lei - Como é que fica agora, Zê?

Nota à imprensa fornecida pelo Planalto ontem, 03/03/2015:

A presidenta Dilma Rousseff assinou agora à noite um Projeto de Lei com urgência constitucional que retoma os termos da MP 669/15, que alterava as alíquotas de desonerações das folhas de pagamento. O Projeto de Lei prevê a mudança nas alíquotas das desonerações dentro de 90 dias, a chamada noventena. Isso significa que a substituição da MP pelo Projeto de Lei não trará prejuízo para o ajuste fiscal pretendido pelo governo federal.

Fonte: http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/notas-oficiais/notas-oficiais/nota-a-imprensa-presidenta-envia-projeto-de-lei-ao-congresso 

E o Senado anunciou que o Renan Calheiros devolveu a MP 669/15 porque não estava dentro dos padrões. Leia a matéria aqui.

Comentário da Zê: E o pessoal que está no meio do tiroteio (fazendo os cálculos) já pergunta: E agora, como é que fica a Desoneração? Vamos ser práticos e veja como fica:

1) Não muda nada por enquanto (nem com a MP 669/15 e nem com o Projeto de Lei), ou seja, quem está na Desoneração (obrigatoriamente) continua (pagando 1% ou 2%) e quem não está não entra.

2) Ainda não é OPCIONAL, ou seja, quem está tem que ficar, mesmo que esteja entrando agora em março ou abril ou maio/2015. A MP 669/15, para trocar a obrigação por OPÇÃO e as alíquotas só entrará (se entrar) em vigor em junho/2015 (se entrar). 

3) Quando chegar em junho/2015 a gente vai ver se a MP entra em vigor ou se o projeto de lei vira lei até lá (são 45 dias para ser votado) e uma das hipóteses é não entrar em junho, mas lá para agosto/2015.

Por enquanto é só pessoal... até breve!

28/02/15

CNAE 2.2 - Saiu nova tabela!

Para baixar a nova tabela de CNAEs em pdf para consulta, CLIQUE AQUI!


IBGE disponibiliza versão atualizada das subclasses da Classificação Nacional de Atividades Econômicas
O IBGE disponibiliza hoje, 25 de fevereiro, em seu portal na internet, a publicação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas: Subclasses para uso da administração pública – versão 2.2 (CNAE Subclasses 2.2), conforme previsto na 2ª edição da Classificação Nacional de Atividades Econômicas 2.0 (CNAE 2.0), publicada em 23 de fevereiro de 2015 (veja aqui a nota técnica).
A publicação completa da CNAE Subclasses 2.2. pode ser acessada no link
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/classificacoes/cnae_2_2_subclasses/default.shtm.
A publicação completa da 2ª edição da CNAE 2.0 está disponível em
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/classificacoes/cnae2_0_2edicao/default.shtm
.
A CNAE é um instrumento essencial na organização dos sistemas de informação dos agentes econômicos. Ela busca padronizar a forma com que os diferentes órgãos do País classificam as unidades econômicas segundo suas atividades. Para compreender a importância desse instrumento, basta lembrar que, até 1994, diferentes classificações eram utilizadas pelo IBGE e órgãos públicos como o Ministério do Trabalho, as secretarias de Fazenda, a Receita Federal do Brasil, a Previdência Social, entre outros. Um mesmo agente econômico poderia estar identificado por códigos diferentes nos diversos cadastros das administrações federal, estadual e municipal, dificultando o confronto de informações e limitando o seu potencial analítico.
Em 1994, foi elaborada a primeira versão da CNAE. No mesmo ano, foi criada a Comissão Nacional de Classificação - Concla, órgão ligado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e que conta com a participação de outros 16 ministérios. O IBGE ocupa a presidência e a secretaria executiva da Concla.
Nova versão passa a ter 1.329 subclasses
A CNAE-Subclasses é uma classificação derivada da CNAE hierarquizada em cinco níveis – seções, divisões, grupos, classes e subclasses. Ela é igual à CNAE até o quarto dígito (classe). O quinto nível, de subclasses, corresponde ao detalhamento usado para a identificação econômica das unidades de produção em cadastros e registros da administração pública, nas três esferas de governo.
A definição das subclasses leva em consideração as necessidades da administração pública na identificação mais particularizada da atividade econômica.
Na versão anterior, em vigor desde 2010, a CNAE Subclasses possuía 21 seções, 87 divisões, 285 grupos, 673 classes e 1.318 subclasses. A estrutura atual da versão 2.2, aprovada e divulgada pela Resolução nº1, de 24/09/2013, da Concla, altera somente o quinto nível da classificação, mantendo-se o mesmo número de seções, divisões, grupos e classes e passando a ter 1.329 subclasses. Foram incluídas 20 subclasses, sendo que nove subclasses foram excluídas e nove mudaram de denominação. A CNAE Subclasses 2.2 entrou em vigor em 01 de janeiro de 2015.
Já a 2ª edição da CNAE 2.0 trouxe uma atualização da Introdução da publicação, de forma a incorporar as alterações definidas pela Resolução Concla nº 1, de 17 de julho de 2014, que, dentre outras disposições, estabeleceu a clara separação entre a estrutura da CNAE e da CNAE-Subclasses.
Em 2007, a CNAE já havia sido reestruturada, seguindo padrões internacionais, passando da CNAE 1.0 para CNAE 2.0. Relembre aqui.

Comunicação Social

25 de fevereiro de 2015



27/02/15

Desoneração: bombaaaaa! MP 669/15 aumenta a alíquota e passa a ser opcional!

Ontem eu repercuti aqui no blog uma matéria de que o governo estava pensando em mudar a Desoneração.

Hoje foi publicada a MP 669/2015 (de 26/02, publicada no DOU hoje, 27/02/2015) trazendo as regras novas da Desoneração.

Basicamente aumenta as alíquotas (quem pagava 1% passa a pagar 2,5% e quem pagava 2% passa a pagar 4,5%) a partir de junho/2015 mas tem uma coisa muito boa: a DESONERAÇÃO PASSA A SER OPCIONAL porém ainda somente para as empresas que estão citadas na lei, inclusive podendo optar ainda neste ano de 2015 (a partir da mudança, em junho/2015). 

Porém como as regras só entram em vigor no 1o dia do 4o mês após a publicação (junho/2015), ainda vamos absorver tudo e depois passando para vocês aqui pelo Blog, ok? E a RFB ainda vai disciplinar, a MP precisa ser convertida em lei etc... mas já dá pra ir fazendo as contas aí, pessoal... será que vai valer a pena continuar na Desoneração? 



O texto básico dos artigos 1 e 2 da MP 669/15 vai aqui embaixo:

MEDIDA PROVISÓRIA No - 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015
Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de 2011, a Lei nº 12.995, de 18 de junho de 2014, e a Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005, quanto à tributação de bebidas frias; e a Lei nº 12.780, de 9 de janeiro de 2013, que dispõe sobre medidas tributárias referentes à realização, no Brasil, dos Jogos Olímpicos de 2016 e dos Jogos Paraolímpicos de 2016.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 

Art. 1º A Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, passa a vigorar com as seguintes alterações:
"Art. 7º Poderão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, à alíquota de 4,5% (quatro inteiros e cinco décimos por cento):
.............................................................................................." (NR)

"Art. 8º Poderão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, à alíquota de 2,5% (dois inteiros e cinco décimos por cento), em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de 1991, as empresas que fabricam os produtos classificados na Tipi, aprovada pelo Decreto nº 7.660, de 23 de dezembro de 2011, nos códigos referidos no Anexo I.
.............................................................................................." (NR)
"Art. 9º ..................................................................................... ......................................................................................................... 
§ 13. A opção pela tributação substitutiva prevista nos arts. 7º e 8º será manifestada mediante o pagamento da contribuição incidente sobre a receita bruta relativa a janeiro de cada ano, ou à primeira competência subsequente para a qual haja receita bruta apurada, e será irretratável para todo o ano-calendário.
§ 14. Excepcionalmente, para o ano de 2015, a opção pela tributação substitutiva prevista nos arts. 7º e 8º será manifestada mediante o pagamento da contribuição incidente sobre a receita sequente para a qual haja receita bruta apurada, e será irretratável para o restante do ano.
§ 15. A opção de que tratam os §§ 13 e 14, no caso de empresas que contribuem simultaneamente com as contribuições previstas no art. 7º e no art. 8º, valerá para ambas as contribuições, e não será permitido à empresa fazer a opção apenas com relação a uma delas.
§ 16. Para as empresas relacionadas no inciso IV do caput do art. 7º, a opção dar-se-á por obra de construção civil e será manifestada mediante o pagamento da contribuição incidente sobre a receita bruta relativa à competência de cadastro no CEI ou à primeira competência subsequente para a qual haja receita bruta apurada para a obra, e será irretratável até o seu encerramento." (NR)
Art. 2º A contribuição de que trata o caput do art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011, permanecerá com a alíquota de dois por cento até o encerramento das obras referidas:
I - no inciso II do § 9º do art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011;
II - no inciso III do § 9º do art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011, nos casos em que houve opção pelo recolhimento da contribuição previdenciária incidente sobre a receita bruta; e
III - no inciso IV do § 9º do art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011, matriculadas no Cadastro Específico do INSS - CEI até o dia anterior à data da vigência do art. 1º desta Medida Provisória.

(...)

Art. 6º A Secretaria da Receita Federal do Brasil disciplinará o disposto nesta Medida Provisória. 

Art. 7º Esta Medida Provisória entra em vigor: 

I - no primeiro dia do quarto mês subsequente ao de sua publicação, quanto ao art. 1º; 

II - a partir de 1º de maio de 2015, quanto aos arts. 3º e 4º; e

III - na data de sua publicação, quanto aos demais dispositivos.

Art. 8º Ficam revogados a partir de 1º de maio de 2015, os arts. 52 a 54 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.
Brasília, 26 de fevereiro de 2015; 194º da Independência e 127º da República.

DILMA ROUSSEFF
Joaquim Vieira Ferreira Levy

26/02/15

Bomba! GOVERNO DEVE REVOGAR DESONERAÇÃO DA FOLHA

O esforço da equipe econômica do governo para por as contas em ordem pode incluir também a revogação da desoneração da folha de pagamentos; desoneração alcança hoje 56 setores, que passaram a pagar de 1% a 2% de seu faturamento para a Previdência Social, no lugar de recolher 20% sobre o salário dos trabalhadores; revogar a medida pode render ao governo pelo menos R$ 13 bilhões a mais; intenção de rever desoneração da folha de pagamentos foi expressa à bancada do PT no Senado, durante reunião nessa quarta-feira, 25, dos senadores com os ministros Nelson Barbosa (Planejamento), Carlos Gabas (Previdência), Pepe Vargas (Relações Institucionais), Miguel Rossetto (Secretaria Geral da Presidência) e Manoel Dias (Trabalho).

O esforço da equipe econômica do governo para por as contas em ordem pode incluir também a revogação da desoneração da folha de pagamentos. A desoneração alcança hoje 56 setores. Em 2013, a medida representou economia de R$ 13,2 bilhões para as empresas.
Com a desoneração, os setores beneficiados passaram a pagar de 1% a 2% de seu faturamento para a Previdência Social, no lugar de recolher 20% sobre o salário dos trabalhadores.
A medida adicional às já anunciadas pelo governo, que incluem aumentos de impostos sobre combustíveis, sobre o crédito e alteração em direitos trabalhistas e previdenciários, foi justificada pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, durante encontro com líderes do PMDB em Brasília, nessa segunda-feira, 23.
Levy estimou em R$ 80 bilhões a necessidade de economia neste ano. Para alcançar este número, somente a redução de despesas da máquina federal não será suficiente. Um das soluções encontradas pela equipe econômica é revogar a desoneração de pelo menos um parte dos setores beneficiados. 
A intenção de rever desoneração da folha de pagamentos foi deixada clara à bancada do PT no Senado, durante reunião nessa quarta-feira, 25, dos senadores com os ministros Nelson Barbosa (Planejamento), Carlos Gabas (Previdência), Pepe Vargas (Relações Institucionais), Miguel Rossetto (Secretaria Geral da Presidência) e Manoel Dias (Trabalho).
Fonte: http://www.brasil247.com/

Desoneração da Folha - Mais 20 perguntas respondidas em fev/2015!

  Desoneração da Folha – Mais 20 perguntas respondidas em fev/2015!
Bases legais: Lei 12.546/11 (artigos 7, 8 e 9), IN RFB 1.436/13, Ade CODAC 093/2011.
Leiam o blog www.zenaide.com.br.
Espero que seja útil para todos (e que as respostas estejam corretas)!
Zenaide Carvalho


   1)    Uma Imobiliária e construtora que seja responsável pela CEI, e possui tanto funcionários contratados para executar a obra como terceirização da mão de obra. Porem seu faturamento provem somente da venda os imóveis prontos, e não possui notas de construção civil. Essa empresa está enquadrada na desoneração?
R) Essa é fácil, amigo: NÃO ESTÁ NA DESONERAÇÃO!
Pq não está? Pq a maior receita dela é de venda de imóveis e essa atividade não está enquadrada.

   2)      Uma empresa de pintura em 2014 era MEI (Micro Empreendedor Individual).
Em 2015 ela passou a ser ME (Micro Empresa) optante pelo Simples Nacional.
Devo enquadrar essa empresa na desoneração, uma vez que em 2015 há previsão que a maior receita seja no Anexo IV?
R) Como ela já estava aberta no ano anterior e a atividade desenvolvida era atividade passível de enquadramento (mesmo ele sendo MEI, já que essa questão de ser MEI ou NÃO não está citada na lei), entendo que esse ano - que ele não é mais MEI - deva enquadrar (se ele tiver receita do Anexo IV).

    3)      Tenho dúvidas com relação a obrigação da desoneração em empresa que tem como atividade principal 2330-3/02 - Fabricação de artefatos de cimento para uso na construção. 
Essa empresa constrói galpões Pré fabricados, emitem nota de serviço, estão desonerados?
R) Como ela emite nota de SERVIÇO e a atividade não é dos CNAES enquadrados para serviço, ela não está.
Poréeeeeeemmm... se ela fabrica os produtos com o NCM que está na lei 12.546/11 e se por ventura ela VENDER como nota fiscal com CFOP de produto industrializado e essa venda for de 5% ou mais da Receita DO MÊS, ela está na desoneração como INDÚSTRIA naquele MÊS. E se for como indústria, faz proporcionalidade.

GFIP de Prefeituras: Conselheiro Tutelar tem regra formal

Já era uma orientação que eu sempre dei nos cursos práticos de GFIP para Órgãos Públicos.

Todo Conselheiro Tutelar tem que entrar na GFIP, a prefeitura tem que recolher os 20% de Patronal e usa-se a categoria 13.

Agora a RFB acordou e expediuregra... ehehehe... segue abaixo!

Abraços,
Zenaide Carvalho

GFIP: Orientações para preenchimento no pagamento de Conselheiro Tutelar

26 fev 2015 - Trabalho / Previdência
Os entes municipais que remunerarem os membros de Conselho Tutelar deverão, quando do preenchimento da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social – GFIP, observar os seguintes procedimentos em relação a esses trabalhadores:

- informar o Conselheiro Tutelar na categoria 13;

- na competência em que houver o pagamento da gratificação natalina, informar o valor total de suas parcelas, somado ao valor da remuneração mensal, no campo Remuneração sem 13º Salário;

 - informar código de ocorrência "05" na tela de cadastro quando houver pagamento de gratificação natalina para possibilitar a abertura do campo Contribuição Descontada do Segurado;

- informar no campo Contribuição Descontada do Segurado a soma dos valores descontados da remuneração mensal e da gratificação natalina, respeitando-se o teto da tabela de salários-decontribuição para a Previdência Social para cada uma dessas rubricas;

- não informar afastamentos para esse segurado de categoria Contribuinte Individual;

- não informar o valor de Salário-Maternidade nos meses de afastamento;

- não informar o valor de salário-maternidade nos campos Deduções - Salário-Maternidade e 13º Salário-Maternidade, já que esse benefício é pago diretamente pelo Instituto Nacional de Seguro Social – INSS;

- no caso do pagamento da gratificação em parcelas, o valor total da gratificação deverá ser informado na competência em que ocorrer o pagamento da última parcela.

Os procedimentos acima devem ser observados enquanto o Sistema Empresa de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social – SEFIP não estiver atualizado.
Ato Declaratório Executivo CODAC nº 7, de 24/02/2015 foi publicado no DOU em 26/02/2015.
Fonte: LegisWeb - Trabalho e Previdência Social

Curso Retenções de Tributos e Declarações nos Órgãos Públicos com Prática no Computador (João Pessoa-PB)


Nome do curso
Retenções de Tributos e Declarações nos Órgãos Públicos INSS / ISSQN/ IRRF / IR / CSLL / PIS / COFINS e DIRF / RAIS /DCTF com Prática no Computador (João Pessoa-PB)
Data e horário
17/06 a 19/06/2015
Local

Hotel Verde Green (PB)
Tel: (83) 3044-0000

http://www.gruposolare.com.br/

Carga horária
25 horas
Objetivo
Orientar quanto às retenções de tributos dos órgãos públicos da administração direta e indireta, além do preenchimento da DIRF e RAIS e reflexo nas novas obrigações exigidas a partir de janeiro/15 e DCTF-Prev.
Público-alvo
Gestores e servidores públicos que administram contratos de prestação de serviços de pessoas físicas e/ou jurídicas e/ou atuam nas áreas de recursos humanos, financeiro, contabilidade, orçamento, auditoria, tribunais de contas e controles internos.
Metodologia
Exercícios de cálculos e análises de casos, durante todo o treinamento. Os servidores sairão capacitados a fazerem a análise das notas fiscais e realizarem corretamente a retenção e o recolhimento dos tributos federias e municipais. No último dia haverá prática no computador.
Conteúdo Programático
Palestrante
Zenaide Carvalho - Administradora, Contadora, Especialista em Auditoria e Controladoria, Especialista em Direito do Trabalho e em Pedagogia Empresarial e Professora de Pós-graduação em Análise Tributária.
Tem mais de 30 anos de experiência profissional. Site: www.zenaidecarvalho.com.br.
Inscrições